27 agosto 2014

Sabedoria Produz Força e Discernimento - 2/4


Força Para Não Considerarmos as Maledicências

Não apliques o coração a todas as palavras que que se dizem, para que não venhas a ouvir o teu servo a amaldiçoar-te, pois tu sabes que muitas vezes tu mesmo tens amaldiçoado a outros” (Eclesiastes 7.21-22).

   Nos versículos 21 a 22, encontramos algumas palavras especialmente relevantes e práticas. “Não apliques o coração a todas as palavras que que se dizem, para que não venhas a ouvir o teu servo a amaldiçoar-te, pois tu sabes que muitas vezes tu mesmo tens amaldiçoado a outros”. Não dê ouvidos às coisas que são faladas a teu respeito, pois, mais cedo ou mais tarde, você vai se decepcionar por causa disso. Particularmente é muito mais preocupante quando são as pessoas da igreja que têm o hábito de falar mal umas das outras. Ficamos tristes e chocados com aqueles que, intencionalmente ou não, procuraram nos prejudicar falando mal de nós pelas costas. Talvez você já tenha passado por essa experiência, e sabe como ela é dolorosa, não é mesmo? As pessoas são falhas. A verdade é que não importa onde você esteja, quem você é, ou o que você faz, as pessoas vão te abandonar em algum momento. Seus melhores amigos sumirão. Seus colegas de trabalho também. Seus pastores, pais, cônjuge e também irmãos em Cristo falharão. A verdade é que cada uma das pessoas com as quais você poderia contar nesta vida uma hora ou outra vai falhar.

  Como você deve reagir quando souber que falaram mal de você? O conselho que temos aqui nestes versículos é o de que não devemos ficar com autopiedade, porque, você sabe, em seu coração, que você também já falou mal de outros: “tu sabes que muitas vezes tu mesmo tens amaldiçoado a outros”. Vamos ser honestos, ficamos chateados quando falam de nós, mas achamos que estamos certos quando falamos dos outros.

   Aqui podemos aplicar a famosa regra áurea: “trate os outros da mesma maneira que gostaria que os outros te tratassem” (Mt 7.12). Falar mal da vida dos outros é muito mais gostoso do que falar bem. Mas, por quê? Porque somos maus e adoramos encontrar pessoas que sejam ainda piores que nós. Por um outro lado, falar bem de alguém pode ferir o nosso orgulho. Só conseguimos falar bem daqueles que são muitos superiores a nós em alguma área específica, mas, mesmo assim, conseguimos encontrar falhas em tais pessoas.

   Uma outra pergunta que temos que responder também é: Como reagir quando ouvirmos pessoas falando mal de outras pessoas. A Bíblia diz que temos que admoestar uns aos outros: “Melhor é o jovem pobre e sábio do que o rei velho e insensato, que já não se deixa admoestar” (Ec 4.13); “... estou certo…de que estais...aptos para vos admoestardes uns aos outros” (Rm 15.14). Somos aptos, ou qualificados, para encorajarmos uns aos outros, e não para falar mal do próximo. A razão de que a fofoca, a calúnia ou a maledicência continuam a existir na igreja é porque a maioria dos crentes as tolera. Não as vêm como algo maléfico para o Corpo de Cristo. Um homem disse certa vez: “Nunca me preocupo com as coisas ruins que as pessoas dizem sobre mim, porque eu sei muito mais coisas a meu respeito do que elas pensam, e o que eu sei é muito pior”. A chave para neutralizar fofocas ou difamações é ser humilde e não levar a sério cada palavra que proferem. A sabedoria, portanto, concede-nos forças para não considerarmos as maledicências.